Portal do Governo Brasileiro

Coordenador da Engenharia Aeroespacial - UFSM apresenta o curso na Agência Espacial Brasileira

Entre os dias 21 e 24 de agosto de 2017, ocorreu, em Brasília-DF, o evento: “First Southern Hemisphere Space Technology Application and Education Forum - 1st SHSTAEF” (Primeiro Fórum de Educação e Aplicação Tecnológica Espacial do Hemisfério Sul). A UFSM esteve presente através de seu Curso de Engenharia Aeroespacial, representado pelo seu coordenador, professor André Luís da Silva.

A Agência Espacial Brasileira (AEB) recebeu membros do Comitê Chinês do Centro Regional para Ciência e Tecnologia Espacial na Ásia e Pacífico (Chinese committee from the Regional Centre for Space Science and Technology Education in Asia and the Pacific - RCSSTEAP) e a Universidade de Beihang, assim como participantes do Peru e Bolívia. Estes membros do exterior se juntaram ao time de coordenadores de cursos de Engenharia Aeroespacial do Brasil.

O evento foi conduzido em duas partes: na primeira, a AEB sediou seções de apresentações e discussões; na segunda, a Universidade de Brasília (UnB) sediou uma variedade de atividades, tais como visitas a laboratórios de ciência e tecnologia espacial, incluindo um teste de motor foguete experimental. 

Debates sobre ensino e aplicações de tecnologia espacial foram desenvolvidos nos dias 21 e 22 de agosto. Realizaram apresentações professores chineses e brasileiros, bem como pesquisadores da AEB. Um tema bastante recorrente na maioria das discussões foi: a necessidade de atualizar as práticas de ensino de Engenharia, principalmente em setores como o de tecnologia espacial.

Pelo lado brasileiro, os coordenadores dos seguintes cursos de Engenharia Aeroespacial discutiram seus currículos e práticas de ensino: UFSM, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Federal do ABC (UFABC), Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Universidade de Brasília (UnB) e Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Evidenciou-se a preocupação de todos com a condução de práticas que complementem a formação de sala de aula, além de reflexões sobre a atual situação destes cursos e perspectivas de trabalho para seus egressos.

A apresentação da UFSM teve o título: “The CDIO approach for Engineering Curriculum and its application in the Aerospace Engineering of the Federal University of Santa Maria” (A abordagem CDIO para o Currículo de Engenharia e sua Aplicação na Engenharia Aeroespacial da UFSM). O tema foi tratado no tópico: “Current Situation and Future Development of Space Technology Education and Applications” (Situação Atual e
Desenvolvimento Futuro de Educação Espacial e Aplicações).

Durante a apresentação, o professor André fez uma breve introdução da localização da UFSM e seus números. Então, foi discutido o currículo de Engenharia Aeroespacial da Instituição, onde se apontou as limitações da formação convencional e forma de ensino. Em currículos tradicionais, existe pouca inter-relação entre as disciplinas ao longo dos semestres, além de atividades de prática profissional estarem concentradas somente ao final dos Cursos. A abordagem CDIO (“Conceive, Design, Implement and Operate”) ou CPIO em português (Concepção, Projeto, Implementação e Operação) foi então discutida como tópico central. De acordo com este princípio, os estudantes são engajados em atividades do “mundo real da Engenharia” desde o primeiro ano da graduação, com práticas de complexidade crescente até sua conclusão. Os discentes podem explorar atividades extraclasse que complementam as disciplinas e atividades integradores tradicionais. No cotidiano da engenharia na UFSM, práticas extraclasse já são comuns, tais como iniciação científica, grupos PET, extensão, empresas júnior, grupos de competição, estágios extracurriculares, etc. No entanto, nos projetos pedagógicos de curso (PPC) tradicionais, tais atividades não estão integradas às atividades formais. Neste sentido, o método CDIO fornece meios de agregar tais práticas ao currículo formal do aluno, contabilizando horas de integralização curricular, bem como fornecendo orientações sistemáticas sobre como conduzir suas atividades extraclasse.

Na apresentação da UFSM, também foram citadas atividades passadas e correntes no ramo de Engenharia Aeroespacial promovidas pela UFSM, tais como o convênio com o CRS/INPE e projeto NANOSATC-BR, bem como a proximidade e relacionamento com a Base Aérea de Santa Maria (agora Ala 4). 

A apresentação da UFSM foi bem recebida pelos participantes, os quais realizaram várias perguntas positivas sobre o método de ensino do curso. Os participantes do exterior também fizeram questionamentos sobre a estrutura dos currículos de Engenharia no Brasil. No geral, o curso de Engenharia Aeroespacial da UFSM está seguindo a mesma linha multidisciplinar dos outros cursos brasileiros, com preocupação e práticas para integrar o conhecimento e fornecer formação ampla aos alunos. 

Eventos como este são importantes para divulgação da instituição no exterior, principalmente para buscar parcerias técnicas e acadêmicas. É fundamental demonstrar para a comunidade nacional e internacional que existem cursos consistentes do Brasil no setor Aeroespacial, de modo a buscar investimentos para desenvolvimento da área, que ainda é pouco explorada, mas possui grande potencial.

 

IMG_6008.JPG

Professor André Luís da Silva durante sua apresentação sobre a Engenharia Aeroespacial da UFSM.

 

IMG_6306.JPG

Coordenadores de curso de Engenharia Aeroespacial no Brasil, da esquerda para a direita: UnB, UFMA, UFSC, UFABC, ITA e UFSM.

 

IMG_6468.JPG

Foto oficial do evento, incluindo brasileiros, chineses, peruanos, bolivianos e o presidente da AEB.